Leitor Impacto

Siga-nos nas redes sociais

A Solução para o Conflito Político e Religioso

Asher Intrater

Há muitos conflitos religiosos e políticos no mundo. Sempre houve. O conflito é intenso e a tendência é aumentar.

A Bíblia tem muito a dizer sobre esta questão altamente complexa. Houve batalhas entre Israel e as nações; entre Judá e Israel; entre sacerdotes e profetas; entre profetas de Baal e profetas de YHVH; entre israelitas e filisteus; entre diferentes tribos dentro de Israel.

Vejamos hoje apenas uma de muitas dessas passagens: o confronto entre Pilatos e Yeshua no evangelho de João. Podemos ver aqui cinco princípios espirituais básicos.

1. Sempre há conflito religioso e político

Quando Yeshua foi levado perante Pilatos, Pilatos imediatamente lhe fez uma pergunta: “Você é o Rei dos judeus?(Jo 18.33) Seu ponto parecia ser: “Você está liderando uma rebelião político-religiosa contra o governo romano? Se assim for, isso é um crime pelo qual eu posso puni-lo.”

No primeiro século, este foi o principal conflito político para Israel, e o pano de fundo dos evangelhos da Nova Aliança. Durante todo o período apostólico, o império romano estava governando o mundo. O livro de Atos começa em Jerusalém e termina em Roma.

Pilatos está fazendo uma pergunta a Yeshua dentro deste conflito político-religioso. Ele espera que Yeshua tome um lado na questão. A questão não pode ser evitada.

2. Há uma perspectiva espiritual diferente nas questões

Yeshua vê o conflito em um nível diferente. Sua perspectiva é espiritual e celestial, não religiosa e política. A pergunta que Pilatos fez poderia ser vista nessa perspectiva diferente, se essa fosse a intenção de Pilatos. Então, qual das DUAS perspectivas estava em questão?

Yeshua responde: “Tu dizes isso de ti mesmo ou disseram-to outros de mim? (Jo 18.34). Yeshua está esclarecendo se Pilatos está perguntando sobre a missão espiritual de Yeshua ou sobre o conflito político-religioso.

Pilatos responde: “Porventura, sou eu judeu? A tua nação e os principais dos sacerdotes entregaram-te a mim. Que fizeste?(Jo 18.35). Em outras palavras, neste ponto Pilatos não está interessado na mensagem espiritual de Yeshua, mas apenas no conflito político-religioso.

3. A mensagem do evangelho NÃO é fundamentalmente tomar partido no conflito político

Quando Yeshua vê que Pilatos está lidando apenas com o conflito político-religioso, Ele diz que NÃO é Seu propósito principal.  “O meu Reino não é deste mundo; se o meu Reino fosse deste mundo, lutariam os meus servos, para que eu não fosse entregue aos judeus; mas, agora, o meu Reino não é daqui.(Jo 18.36).

Yeshua não nega Sua realeza ou seu impacto profético final nos impérios políticos e religiosos. Mas Ele se recusa a entrar nesse nível da argumentação. Ele e Seus discípulos não estão “lutando” nessa causa.

Ao fazer isso, Yeshua não está evitando o problema ou tendo medo de lidar com ele. Ele está apresentando uma TERCEIRA perspectiva. Em essência, está dizendo: “Vocês estão tentando Me puxar para esse conflito político-religioso. Mas ambos os lados estão errados. Nenhuma das partes tem uma resposta. Nenhum de vocês pode trazer uma solução.”

“No entanto, eu tenho um caminho diferente, um caminho celestial. Embora o Meu reino não faça parte do atual conflito político-religioso, ele acabará por trazer a solução para todos os conflitos. Eu tenho uma solução. Nenhum de vocês tem. Eu não estou tomando partido em seu conflito. Estou trazendo uma solução melhor e real.

4. O evangelho aponta para a VERDADEIRA solução da crise humana

Quando Yeshua responde desta forma, faz com que Pilatos pergunte sobre a perspectiva de Yeshua, mesmo que Pilatos estivesse tão profundamente imerso no conflito do império.

“Disse-lhe, pois, Pilatos: Logo tu és rei? Jesus respondeu: Tu dizes que eu sou rei. Eu para isso nasci e para isso vim ao mundo, a fim de dar testemunho da verdade. Todo aquele que é da verdade ouve a minha voz. Disse-lhe Pilatos: Que é a verdade?” (Jo 18.37-38)

Yeshua é realmente um Rei. Ele nasceu para ser esse Rei. Ele foi crucificado como esse Rei (Jo 19.19-22). Ele foi ressuscitado e ascendeu para receber autoridade celestial (Dn 7.14, Sl 110.1, Mc 14.62). Ele voltará para estabelecer esse reino nesta terra (Mt 6.10, 25.31). Todos os governos deste mundo se submeterão à Sua autoridade (Ap 11.15).

A nossa prioridade não é tomar partido na política, mas sim apresentar a verdadeira solução. Ambos os lados estão fundamentalmente errados, porque todos os homens são egoístas e pecaminosos. O evangelho muda os corações humanos e assim traz a verdadeira paz, justiça social, mudança ambiental e bem-estar econômico.

Buscamos o Seu reino e Sua justiça (Mt 6.33). Todo o resto será “acrescentado” como resultado de um relacionamento correto com um Deus amoroso e santo.

5. Há UMA autoridade soberana acima de todas as outras

Pilatos tentou forçar Yeshua a entrar no conflito político-religioso, mas Yeshua simplesmente se recusou a responder. Pilatos ficou frustrado com o silêncio de Yeshua e tentou impor sua autoridade sobre Ele.

“Não me falas a mim? Não sabes Tu que tenho poder para Te crucificar e tenho poder para Te soltar? (Jo 19.10)

Surpreendentemente, Yeshua não negou a autoridade política de Pilatos. Nem negou a autoridade dos sacerdotes no Templo. Na verdade, Ele se submeteu tanto ao império romano quanto ao sacerdócio judeu. Mas então Ele acrescentou que havia uma maior autoridade sobre eles, à qual eles teriam que dar conta de sua decisão.

Respondeu Jesus: Nenhum poder terias contra mim, se de cima te não fosse dado[…](Jo 19.11)

Nós nos submetemos às autoridades neste mundo porque elas são secundárias. Há uma autoridade acima delas. Há apenas UM governante soberano de cima. Ele é Deus.

A mensagem do reino tem autoridade primária, enquanto a religião e a política têm autoridade secundária. O evangelho chama todas as pessoas a se submeterem ao governo celestial de Yeshua. Ele diz: “todos pecaram e precisam se arrepender, pois o reino de Deus e Seu julgamento estão próximos”.

COMENTÁRIOS CONCLUSIVOS:

Escrevo este artigo à luz dos conflitos atuais no Oriente Médio. Existem algumas perspectivas diferentes em lidar com questões na América, África, Europa e Ásia.

Temos um acordo com os judeus ortodoxos em Israel sobre valores familiares conservadores. No entanto, a perseguição dos messiânicos, o preconceito racial e a coerção religiosa pelos elementos extremistas entre eles não nos permitem nos encaixar. Temos um acordo com a sociedade israelense secular sobre direitos civis e liberdade de expressão. No entanto, o colapso das questões de moralidade familiar e sexual não nos permite encaixar com eles também. Para os palestinos, temos profunda compaixão por seu sofrimento e temos uma preciosa unidade com nossos amigos árabes cristãos. No entanto, a influência da jihad islâmica radical, com seu ódio a Israel, também nos deixa de fora.

Embora não tenhamos que lutar ou tomar partido na política religiosa partidária, precisamos realmente abordar com clareza profética todas as questões de moralidade e justiça social. E precisamos discernir a diferença entre os dois.

Nossa mensagem deve ser mais ousada e mais confrontadora. Não é esquerda ou direita, é acima. Não é por um candidato político, mas pelo Rei dos Reis que os governará.

Gostou? Compartilhe...

WhatsApp
Telegram
Twitter
Facebook
Imprimir

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Continue lendo

Conteúdo Relacionado

Vento Forte a Noite Toda

Asher Intrater O Senhor disse a Josué que estaria com ele da mesma forma que estava com Moisés (Josué 1:5). De maneira semelhante, Yeshua disse a

A Presença Interior do Espírito Santo

Asher Intrater Os valores judaico-cristãos incluem padrões morais, fundamentos sociais e uma visão geral do mundo. Eles são essenciais à humanidade e a toda a